Revista Sucesso

Atualizado em 15/06/2016 10:43

Gastronomia

Amigos e os Cafés do Paraná

O Instituto Iapar, orgulho para nossa região, conta com um espaço especialmente preparado para avaliar cafés, seguindo os padrões estabelecidos pela Associação Americana de Cafés Especiais

Da redação




Em uma bela tarde de céu manchado em vários tons de púrpura, tive uma dessas boas coincidências da vida. Aliás, alguns preferem achar que não, que é apenas o acaso.

Coincidência ou não, havia acabado de ler uma matéria sobre os finalistas que iriam concorrer ao Cup Of Excellence 2014, evento que acontece uma vez ao ano e pontua os melhores cafés em nível mundial. São 150 amostras concorrendo e, para glória do nosso Paraná Norte Pioneiro, figurava entre as concorrentes uma amostra cultivada em Japira.

Numa das cafeterias mais charmosas de Londrina, neste final de tarde púrpura, encontrei o produtor deste café. Imediatamente, fui parabenizá-lo, pois considero uma vitória do nosso estado estar entre essas 150 amostras. E no meio da conversa, recebi o convite para espiar a seletiva final dos melhores cafés cultivados no Paraná.

O Instituto Iapar, orgulho para nossa região, conta com um espaço especialmente preparado para avaliar cafés, seguindo os padrões estabelecidos pela Associação Americana de Cafés Especiais (Centro de Pesquisa em Qualidade do Café). Este centro de prova dispõe de equipamentos modernos comandados por personalidades de extrema competência.

Promovido pela Câmara Setorial de Café e pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento – por meio das vinculadas Iapar e Emater-PR – o Concurso Café Qualidade Paraná irá reconhecer o esmero dos produtores das seguintes regiões: Santo Antônio da Platina, Cornélio Procópio, Londrina, Apucarana, Maringá e Cianorte. A premiação dos cinco finalistas acontece no fim de outubro e o Governo do Paraná garantirá a compra dos lotes campeões.

Foram provadas 20 amostras finalistas, divididas nas seguintes categorias: Café Natural (colhido depois de maduro e seco ao sol durante sete dias); Microlote (especialmente preparado para concursos, este café pode ser tão natural quanto cereja descascado. Deve ter no mínimo duas sacas do mesmo café); e Cereja Descascado (este café passa por uma pré-lavagem, em que é retirada a maior parte dos cafés verdes. Os maduros são descascados eou desmucilados, restando apenas o pergaminho. Depois, são secos em terreirões). A prova tem como objetivo avaliar com notas acima de 75 pontos, quesitos como aroma, sabor, corpo, acidez e doçura.

Apesar da redução das áreas de cultivo do café no Paraná, podemos acompanhar uma crescente motivação por parte dos agricultores em produzir melhor. IAPAR, ACENNP, SENNAR e SEBRAE, entre outras entidades, promovem e apoiam essa evolução da nossa cafeicultura.

Neste dia tão significativo, tive o privilégio de provar as 20 amostras finalistas. Acompanhei todas as discussões sobre as notas de cada café e, acima de tudo, passei um dia fazendo o que mais gosto: aprendendo, falando e ouvindo sobre o fruto que origina a bebida da razão. Sobre o café de Japira, os vencedores serão conhecidos apenas em novembro e, no dia 26 do mesmo mês, irão para um leilão concorridíssimo.
Dica do mês

Ao entrarem em uma cafeteria, vamos ser um taquinho regionalistas e pedir: “Por favor, você poderia me servir um café paranaense?”



café

Colunista

Andréia Cristina Luchetti

Barista e proprietária do Ânima Café Artesanal
Facebook: @animacafeartesanal
Instagran: @animacaffe

Veja mais artigos
Mais lidas
  1. Ah, se o café pudesse falar!
  2. 24 de maio, dia nacional do café
  3. Muitos bons cafés, em 2017!
  4. Café, Comer, Amar
  5. Pedais, café e seus quinídeos
  6. Café, um luxo acessível
Leia também
  1. Educação com Café, meu amigo e aliado
  2. Londrina e suas ruas com aroma de café
  3. Quem gosta de café?
  4. A mulher e o seu café
  5. Seu Café, à Prova de Balas
  6. Ah, se o café pudesse falar!